segunda-feira, junho 14

Closer - Perto Demais

Ainda em clima de dia dos namorados [por mais estranho que possa parecer] eu me peguei pensando no filme Closer – Perto Demais. Fiquei pensando no motivo de que MUITAS pessoas, inclusive eu, gostam deste filme em particular. Outras não querem nem escutar o nome dele e ficaram com repulsa dos atores envolvidos.

Sinceramente, ter Jude Law, Clive Owen, Julia Roberts e Natalie Portman no mesmo filme é um acontecimento em um milhão de anos. Todos grandes atores estrelaram o filme que talvez seja, o mais complexo filme que já possa ter sido escrito. O roteiro deste filme é um roteiro forte, e intenso e a pessoa deve pensar de maneira despretensiosa para poder enxergar tudo isso.

Esse filme gira em torno de 4 pessoas que se veem envolvidas sentimentalmente umas com as outras. Para quem está lendo este post neste exato momento, talvez pense que se trata de um filme DE amor. Se enganam. Não é um filme DE amor, e sim SOBRE o amor. Mas não é aquele amor romântico, é o amor “real” mesmo, aquele amor próximo da realidade (claro, se você puder enxergar por detrás dos absurdos cinematográficos). E falar SOBRE o amor, é mostrar que ele pode machucar sim. Que ele pode ser egoísta sim, e que muitas vezes ele não se preocupa com quem vai magoar. Lembrem-se, o amor não existe sozinho, para ele existir é preciso de um ser humano envolvido, e sendo um ser imperfeito, o mais puro sentimento humano também se torna o mais mesquinho – na maioria das vezes.

Não é um filme leve, não é um filme simples, é um filme complexo, que mostra o quanto o ser humano pode magoar outro, para realizar uma simples... Fantasia! Neste filme nós vemos as pessoas sendo elas mesmas. Vemos que as pessoas traem seus parceiros apenas para satisfazer a libido {certo, eu falei bonito agora} sexual que todos nós tempos, e magoam apenas porque simplesmente deixaram de amá-la!

Não existe mocinho ou vilão neste filme, existem pessoas comuns querendo encontrar a tal felicidade que todos nós procuramos. E para isso eles levam as consequências no grau máximo da palavra.

Quando eu assisti Closer, eu lembro que a princípio eu torci o nariz e falei que era um filme de uma “cernisse só”, e isso porque eu ainda estava magoada com uma situação parecida com um dos casos apresentados no filme. Anos depois, até mais amadurecida, quando eu voltei a assisti-lo, notei coisas que haviam passado despercebidas por mim no primeiro momento. Uma das coisas, é que todos os quatro personagens, em um determinado momento, se afastam daquelas pessoas que dizem amar, até para poder se encontrar. Então, você pensa: mas se ama, por que se afastar? Eu realmente não sei dar uma resposta precisa, mas eu sei que muitas vezes, a pessoa precisa sim de um tempo para colocar as ideias no lugar para ter a segurança necessária para envolver alguém de uma maneira mais completa na sua vida.

Complicado? Sim, é complicado sim! Se a pessoa ama a outra pessoa, por que não falar para ela de uma vez e ser feliz? Por que tem que se afastar dela?; Por que?; Por que?; Por que? Eu não sei responder a estas perguntas. Eu sei que o ser humano é assim! Dói ficar longe da pessoa que a gente ama, eu sei disso, mas dói mais ainda, quando você realmente se importa com seu parceiro, magoá-lo! Às vezes é preferível deixa-lo que ver em seus olhos uma pitada de mágoa! Isso claro, para as pessoas que têm algum batimento do órgão pulsante do corpo. E não uma pedra no lugar dele.

Todos nós passamos por aquelas situações, seja traindo ou sendo traídos. E pode acreditar, não é bom em nenhuma das situações. Claro, pensem, uma pessoa joga todas as suas expectativas em cima de outra, e no final não é nada disso que ela pensou? Então, ela tem que procurar outra, fora daquele relacionamento que ela investiu tanto, para poder ver se é feliz de algum modo! Caramba, sinceramente? Essa não é uma situação da qual eu queira estar envolvida! E é muito ruim você magoar alguém que sabe que gosta de você! Todas as pessoas hoje fazem isso de maneira natural, mas eu acredito que ainda existam pessoas que se preocupem com seu próximo. E ser traído? Bem... É uma forma de você morrer sem te enterrarem. Dói em locais que você nem imaginava que existia dentro de você. E tudo perde a sua graça e o seu brilho! Enfim, qualquer dessas situações é muito ruim.

Mas, os amores acabam! E quando isso acontece, o que fazer? Falar: “eu não te amo mais, adeus?” deixando a pessoa com aquela cara, mas... O que realmente aconteceu? É, é isso mesmo! Quer dizer, não sendo tão frio quando a personagem da Portman (que inclusive ganhou uma indicação para melhor atriz coadjuvante pelo filme), mas tentando simplificar a coisa. Quer dizer, você não ama mais a pessoa... Ficar prolongando essa situação até quando? Até você começar a traí-la? Não, tenha a decência de fazer isso antes de se envolver com qualquer outra pessoa... Lembre-se, você pode não amá-la mais, mas a pessoa ainda tem um grande sentimento por você...

Enfim, o filme trata mais de seres humanos que dos sentimentos que os envolvem! É por isso que ele é tão brilhante assim... Reflitam e prestem atenção... Ele vale a pena!

Beijos Uivantes.

Um comentário:

e d d y disse...

Adoro Closer!!! Tive a oportunidade de assistir a peça em SP, há de coisa de uns seis anos atrás e posso garantir que o elenco brasileiro (encabeçado por Renata Sorrah e Guta Stresser) não fica devendo em nada ao americano.